quinta-feira, 25 de junho de 2015

Observatório One World - a mais nova atração de Nova York

Depois de muita controvérsia o observatório da torre do WTC abriu. Já se passaram 14 anos do ataque as torres gêmeas e essa área da cidade ainda não está totalmente revitalizada. Ainda tem aquele visual de canteiro de obra, já que parte do do terminal de metrô projetado pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava não está finalizado.


Aproveitando a visita da família fui conhecer o observatório logo depois da inauguração. Comprei o ingresso online. O processo é super simples. Mas há venda de ingressos na bilheteria do local. O ingresso mais barato sai por 32 dólares e pode marcar hora para a visita. Nós resolvemos ir na parte da manhã para poder aproveitar o dia. Foi uma decisão acertada já que as filas começam a aumentar após as 11 da manhã. Mesmo com hora marcada tem uma fila na porta e claro que a segurança do local é bem rigorosa aumentando a lentidão da fila.


Depois de passar pela segurança uma exposição sobre os ataques mas nada muito sombrio. Com vídeos e depoimentos dos funcionários que trabalharam na construção da torre. 
Produção digna de atração da Disney. Tudo super organizado, com vídeos e mil telões durante o trajeto até os elevadores. 
O percurso no elevador é muito rápido e tem telas com uma projeção de imagens do lado de fora do prédio. 
A vista na minha opinião é mais bonita que a vista do Empire State. O observatório tem uma vista de 360 graus com janelas bem grandes de vidro. 


Eu dei muita sorte do dia estar bem claro. Dava para ver New Jersey, as pontes do Brooklyn e de Williamsburg, a estátua da Liberdade, o Empire State e toda área sul de Manhattan.


Recomendo demais esse passeio para qualquer visitante e também para quem mora aqui. Um passeio super agradável. Depois dá para visitar o Memorial e o museu que ficam no mesmo espaço. E para almoçar é só atravessar a rua e visitar o World Financial Center que tem uma praça de alimentação bem completa e uma vista incrível do rio Hudson


 A razão das fotos bem ruins. Correr atrás dele e tirar foto boa não rola.

Para a compra dos ingressos:https://oneworldobservatory.com

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Umami - Hambúrguer importado da Califónia

Acho que nesse blog devem ter muitos posts sobre hambúrguer. Por mais que muita gente torça o nariz um hambúrguer bem feito é uma delícia. Em Nova York desde que o chef Daniel Boulud lançou o DB Burger com foie gras a moda do hambúrguer de qualidade só aumentou. 

Já tinha lido sobre o Umami Burger. Uma rede da Califórnia com uma linha de lanches diferentes e com carne de qualidade. A carne é temperada com um molho secreto que contém molho de soja e um pó com cogumelos porcini e peixe seco que cria o quinto sabor ou o umami. 



Eu não gosto muito de hambúrgueres diferentões. Prefiro o combo carne+pão+queijo. Abacate? não obrigado. Alface no lugar do pão? Prefiro uma salada. E hambúrguer de lentilha? Não, Bela Gil gosto de lentilha na sopa. 
Torci o nariz para o cardápio mas tudo que provei estava muito bom. 


Pedimos os mais tradicionais. Minha mãe foi de carne com cogumelo shitake, friccó de parmesão e cebola caramelizada. Eu fui de carne com pedaços de bacon, queijo cheddar e cebola frita. Meu irmão foi de carne com um ovo frito, friccó de parmesão, manteiga de estragão e rúcula trufada. Claro que o gosto de trufa mandou lembranças mas a carnes estavam ótimas. Hambúrguer alto, no ponto certo com bom equilíbrio entre os ingredientes. Sem falar no pão com o logotipo da loja. 



A batata frita fina e bem sequinha. Feita na casa e nada de sabor de batata congelada. A batata doce frita também estava bem gostosa e molhos doces e picantes para mergulhar a batata. 




O Umami tem 3 filiais em Nova York. Greenwich Village, Wall Street e Williamsburg. 


quinta-feira, 26 de março de 2015

O melhor sushi da minha vida até o dia que eu for para Tóquio.

Ano passado foi um ano muito corrido e com muitas mudanças. Além da casa nova tive um fim de ano com muitas visitas da família. A mudança de bairro trouxe uma sala maior e assim a possibilidade de abrigar mais parentes fugindo dos preços absurdos da hotelaria de Nova York. Parentes que que amam comer bem. Meus primos já estavam falando do Sushi Nakazawa há tempos. Depois de uma rápida googlada descobri que conseguir uma reserva é bem difícil e apesar de eu achar um saco essas coisas de fila e must go de NY (tipo fila do Cronut) fiquei a postos no Opentable. A estratégia deu certo e conseguimos uma mesa já que no balcão só em números pares pessoas (nós éramos 3).
Para quem viu o filme Dreams of Jiro o Nakazawa é um filho bastardo do Jiro. Um restauranter de Nova York assiste o filme e vai até Tóquio convencer o aprendiz do Jiro a vir para Nova York. And the rest is history. O restaurante recebeu quatro estrelas (cotação máxima) do New York Times e desde de então está sempre na lista dos melhores sushis de Nova York.

O menu omakaze tem em média 20 peças de sushi. Só perguntam se a pessoa tem alguma alergia e você fica na mão do chefes. Não tem molho de soja na mesa. O chefe pincela a quantidade exata. Eles trazem o sushi, explicam os ingredientes e só. 

Meu predileto foi com raspas de yuzu. O nome do peixe eu já esqueci. O de uni também entrou para a lista dos top 5 com o trio de atum.



A última peça de sushi é o famoso tamagoyaki ou egg custard que fez o chefe Nakazawa chorar no filme. Uma mistura de bolo com pudim que fecha refeição com chave de ouro. 



Três meses depois....
Como eu sou uma pessoa muito sortuda, quer dizer fiquei acordada até meia noite stalkeando o Open Table, consegui uma vaga no balcão para ir com meu irmão para comemorar nossos aniversários - valeu mãe!!
A experiência no balcão é diferente. Quem prepara todos os sushis é o chefe Nakazawa e explica todos os ingredientes. Claro que quem senta no balcão ganha uns mimos extras. O chefe Nakazawa é super simpático e interage com a clientela o tempo todo. 



Serviço muito gentil sem ser chato, boa carta de saques e vinhos com opções abaixo de 80 dólares, restaurante bonito e em uma parte super fofa do West Village. 
Eu não sou entendida de sushi. Mas tive o privilégio de ir com uma pessoa que entende muito, que trabalhou com isso e o veredito foi - melhor sushi da minha vida. 
Eu adorei poder voltar. É uma experiência para ir em uma ocasião especial. A conta é salgada. Mas vale cada centavo. 

Sushi Nakazawa
23 Commerce Street West Village New York, NY 10014
http://www.sushinakazawa.com




quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Churrasco texano legitimo - Hill Country BBQ

Eu ja tinha visitado o irmão mais novo do Hill Country BBQ que nada mais é que um restaurante de frango frito. Eu até já tinha esquecido do Hill Country BBQ. Mas como gostar de comer está no dna da família eu não hesitei em aceitar o convite dos meu primos para experimentar o Hill Country BBQ. O texano Marc Glosserman sentia tanta falta desse tipo de churrasco que resolveu importar tudo do Texas. O defumador, a lenha e também as famosas lingüiças do restaurante Kreuz Market em Lockhart no Texas. 



O estilo texano de churrasco é completamente diferente de qualquer experiência que eu já tive. A carne é defumada e servida em pedaços de papel. Você compra a quantidade em libras que desejar, escolhe o acompanhamento e a bebida. Coloca tudo numa badeja plástica e leva para a sua mesa.Tudo bem rústico e delicioso. 





Talheres são opcionais. Nós gostamos tanto que voltamos mais uma vez. A minha carne predileta com certeza foi o brisquet(peito bovino). Macio e suculento. A costela de porco também estava ótima, mas tinha muita pimenta do reino para o meu gosto. 
As linguiças vindas diretamente de Lockhart no Texas são bem apimentadas e para o padrão brasileiro um nível Acarajé com MUITA pimenta. De acompanhamentos fomos de purê de batata doce, de salada de repolho (cole slaw), macarrão com queijo (mac and cheese) e salada de batatas estilo alemão. Para quem gosta ainda tem um pão de milho muito bom, mas um pouco doce para o meu paladar.

As sobremesas tem uma cara super apetitosa, mas infelizmente a gente não tinha mais espaço no estômago. A próxima vez quero experimentar a torta de banana ou o bolo red velvet. 

E para quem gosta de música eles tem shows super animados de Honky-Tonk, Western Swing, Rockabilly, Roots Rock, Alternative Country, Blues e Americana

No blog da Lu Misura ela tem resenhas de vários restaurantes de churrasco em Austin. 

Hill Country Barbecue & Market
30 West 26th street entre 6th avenida e Broadway no Flatiron District


sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Parece cartão postal e só a 45 minutos de Manhattan












Acho que uma das coisas que mais surpreendem as visitas aqui em casa são as muitas opções de passeios fora de Nova York
Para aproveitar a beleza do outono, seguindo o conselho de uma amiga, fomos visitar a Stonebarns Center num dia de semana. O centro fica a 45 minutos de carro de Manhattan mas precisa de um GPS ou o velho mapa de papel para não se perder.

       A estória do centro agrícola é bem diferente das fazendas que estão abertas nessa época para a colheita de maçã. Eles não produzem nada em grande escala e tudo o que é produzido ali é usado para consumo no restaurante ou no café da propriedade. O objetivo do centro é educar e criar consciência sobre a importância do cultivo sustentável e de desenvolver novas técnicas de agricultura.
       Além do café, o Stonebarns tem um restaurante com 2 estrelas do Michelin comandado pelo chefe Dan Barber. Ele é dos grandes chefes que apoia o movimento farm to table que nada mais é da horta para mesa sem muitos intermediários e comida seguindo as estações do ano.
       O centro agrícola oferece visitas guiadas mas como nós estávamos com criança pequena entao optamos por pegar um mapa e sair caminhando.


            Visitamos o galinheiro, as estufas com muita variedade de verduras e legumes outonais (vários tipos de couve, mostardas, cenouras e batatas). Há tambem uma criação de ovelhas para leite e carne. É como estamos na época do dia de Ação de Graças os perus também estavam prontos para o abate.
            Achei a proposta muito interessante e ver o que você compra no supermercado de perto me fez repensar muito sobre desperdício e a quantidade de proteína animal que eu consumo. A energia despendida em criar um animal para nosso consumo é imensa e quando compramos o frango ou a carne na bandeja de isopor no supermercado muitas vezes esquecemos que a carne moída já foi um boi que demorou muito para crescer e que demandou o trabalho de muitas pessoas.
            Como fomos de dia, o restaurante Blue Hill não estava aberto (só funciona para o jantar) e comemos no café. A comida deliciosa, as pessoas muito simpáticas e bem contentes de trabalhar no centro.



            A beleza do centro parece ter saído de um editorial da revista da Martha Stewart. Tudo com aquela carinha de painel do Pinterest. Até as folhas de outono e a cor envelhecida da madeira combinavam.

            Foi um passeio muito legal. O Kenzo conheceu pessoalmente alguns animais, ja que em NYC ele soh conhecia pombos, esquilos e ratos.


quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Verão acabando em Nova York e eu dando as caras por aqui

Já peço desculpas e aproveito para tirar a poeira do blog. 

Ontem fui a um lugar que já fazia tempo que estava na lista de lugares para visitar. Apesar de viver aqui há 6 anos não me canso de ser turista na minha cidade.

O Carrossel da Jane era um desses lugares que nunca dava tempo de ir, mas agora com o filho já com idade suficiente para encarar um carrossel eu me animei, pulei no metro e fui até o Brooklyn.




A estória do carrossel tem todos os elementos da alta sociedade daqui. Aquela competição de quem doa mais dinheiro e quem tem seu nome gravado para a posteridade. Por alguns milhões de dólares você pode ter seu nome em uma ala do Metropolitan, ter um playground no Central Park ou até uma passarela no parque High Line. Mas a Jane Walentas foi além. Ela tem o seu próprio carrossel.E de lambuja o carrossel tem vista para o skyline de Manhattan e fica dentro de uma caixa de vidro projetada pelo arquiteto Jean Nouvel. O carrossel teve um trabalho de restauração de muitos anos e foi contruído em 1922 na Philadelphia e era atração de um parque em Ohio. 


Seu marido David é um dos responsáveis pela revitalização da área do Brooklyn Bridge Park e com a sua ajuda compraram o carrossel e resolveram restaurá-lo e doar para a cidade. 

O lugar é lindo, a vista imperdível e diversão garantida.  

Acho que ela sambou na cara da sociedade. 



O ingresso com cara de vintage. Muito carinho com os detalhes.

E foto do filho contente #mãecoruja



Jane's Carousel
Localizado no bairro de DUMBO no Brooklyn Bridge Park. Dá para chegar de metro pelas linha F - laranja, A e C - azul e 2 e 3 - vermelha.







terça-feira, 27 de maio de 2014

Mais um docinho francês no pedaço.

Acho que um assunto recorrente por aqui são as padarias. Meu fraco por carboidratos tem relação direta com o fato que toda semana querer visitar uma nova padaria/confeitaria diferente. 
Mas NYC não decepciona. Novidade é o que não falta. 


Seguindo os passos do Abrindo o Bico fui conhecer a Canelé by Celine. A Celine é advogada e cansada da vida corporativa, resolveu vender os doces que ela sempre presenteva os amigos. Depois de elogios de alguns amigos chefs de cozinha ela resolveu abrir a loja. 

Uma portinha no finzinho do Upper East Side. Para quem não sabe esse finzinho tem outro nome - Yorkville.




Eles servem canelés, financiers, croissants e café. Tudo super fofo, com muitas formas de cobre de canelé espalhadas pela loja. 

Vários sabores como caramelo, baunilha, pistache, laranja, chocolate e limão. E também sabores salgados como parmesão e chorizo espanhol. 


Ideal para um lanchinho. A textura borrachenta não me agradou muito. Talvez eu não tenha o paladar para esses docinhos tão amados na França.


Mas achei a loja uma graça e recomendo para quem quer experimentar algum doce diferente, porque
NY vai muito além de cupcakes. 

400 East 82nd street entre 1st e York ave. em Yorkeville